sexta-feira, 31 de julho de 2020

A urgência do regresso da pedagogia à escola... e ao imaginário do professor

António Nunes

(...) a cada reforma, mantém-se aquilo que os historiadores da educação e os pedagogos apelidam de "gramática da escola" (...), ancorada em regras, a maioria delas invisíveis (...), interligadas naquilo que, vulgarmente, se apresenta como tradição. Um facto que as faz, por si só, (...) resistentes à mudança ["a tradição tem muita força"]

terça-feira, 28 de julho de 2020

«Sou maior quando envelheço»

E por falar do tempo: a memória, a consciência, o sentimento de si... e outras "coisas menores" 

A propósito de um poema de Viviane Mosé

Neste poema vejo o tempo identificado com a própria vida, que se estende no passado de olhos postos no futuro. Um poema que, de certa forma, reflecte o conceito de consciência, com o qual se identifica o tempo.

De que modo cresce o passado que já não é mais? Interroga-se Sto. Agostinho. Cresce com a memória das coisas que vivi, diria eu ! se fosse chamado a responder. Para acrescentar, de seguida, que apenas com as coisas que faço, com a consciência das experiências que vivi [nas quais o aprender se inclui] sou capaz de crescer. Um crescimento que varia com o tempo dedicado às "coisas que mantêm todo o seu significado".

Diz o Principezinho [de Antoine de Saint-Exupéry] que «Foi o tempo que perdeste com a tua rosa que fez a tua rosa tão importante». No fim é a importância das coisas que faço, que dá sentido ao tempo que lhes dedico, e me faz ser maior quando envelheço.
Daniel Lousada

segunda-feira, 20 de julho de 2020

A professora Isa não é leitora?

A propósito da vergonha alheia de Raquel Varela


Daniel Lousada [ Disponível também em PDF >>> ]


A professora Isa, como professora do 1º Ciclo, “ensina” muitas artes: expressão plástica, musical, matemática, história, ciências... e, claro, português. Duvido que alguém possa gostar de tudo isto por igual.

«Não sou leitora. Nunca fui muito de ler livros»[*], responde quando lhe perguntam o que andava a ler. Quer dizer que se afasta dos livros como se estes fossem repelentes? Não, diz tão só que procura entretimento noutras leituras ou noutras artes. E, curiosamente, embora diga não ser leitora, também diz gostar de livros: «Os livros infantis são muito importantes para mim, (...). Em casa, na pequena biblioteca que tenho, e na escola, passaram a ser um grande contributo para o meu trabalho». Afirma inclusive, uns parágrafos acima, que está «a estudar para tirar uma pós-graduação em "livro infantil"». Ora, isto não se consegue sem leitura e sem escrita. Donde que alguma coisa terá de ler. Mas ao ler a entrevista e, a seguir, os comentários violentos, que se escreveram sobre ela, centrados unicamente numa resposta infeliz, esquecendo tudo mais, fica-me a impressão de estar na presença de "leitores de letras gordas".

Conheço professores que, não gostando de grandes leituras, ligam-se à leitura pelo desejo de saber. E conseguem passar este desejo aos seus alunos, como só muito poucos conseguem! Outros, do mundo universitário, confessam que as suas leituras acontecem em função das aulas que têm para dar e dos projectos de escrita [de artigos, coisas de carreira] que têm em mãos: a leitura amarrada, não ao prazer de ler, mas ao propósito de uma escrita utilitária. Outros ainda, grandes leitores(as), são incapazes de fazer gostar seja do que for – Entre os primeiros e estes últimos, prefiro seguramente os primeiros, pela seriedade com que encaram a profissão.

CLARO QUE GOSTAR DO QUE SE ENSINA AJUDA: dispensa-nos o trabalho de fazer de conta que gostamos! Sim, fazer de conta! E até nem é muito complicado fazê-lo com crianças deste nível de ensino: basta saber ler e investir na construção de uma personagem que adora ler o que está a ler. Pode, depois, acontecer a dificuldade em discorrer sobre a qualidade literária da obra, mas isso é irrelevante neste nível de ensino. Durante a minha carreira tive de ler e dar a ler livros que não gostava, e li-os aos meus alunos, como se os adorasse, tão convincentemente, que alguns quiseram levar o livro, para repetir a leitura em casa! Nalguns casos [poucos, confesso] deixei-me entusiasmar pelo seu entusiasmo, e dei por mim a gostar do que lia!

Há confissões que só devem fazer-se no confessionário! E, Infelizmente para a professora Isa, os jornais não são confessionários, nem lhes compete perguntar ao entrevistado se acha mesmo do seu interesse partilhar esta ou aquela informação. Eles iam lá perder a oportunidade de partilhar esta confissão, destacando-a das demais em letras gordas. Enfim, coisas de quem, ingenuamente, se enreda nestas redes e deixa que a visibilidade do seu trabalho o transforme em curiosidade mediática.

Já agora, eu nunca gostei de algoritmos, nem de raízes quadradas [estas já nem sei mesmo como se fazem], mas isso não me impediu de ser competente no seu ensino, quando ensinava.

______________

[*] Esta citação foi partilhada, pela historiadora Raquel Varela, da seguinte forma: "A professora de português – já vimos não ser de português – (...) deu uma entrevista ao Expresso este fim de semana onde diz que nunca gostou de ler, cito". Obviamente, não citou coisa nenhuma. De nunca gostei de ler a nunca fui muito de ler livros, há uma distância enorme: eu que nunca fui muito de copos, gosto muito de um bom copo, principalmente se a acompanhar uma boa conversa entre amigos – Apetece dizer que até os melhores se deixam contaminar pela mentalidade facebook.

domingo, 19 de julho de 2020

E se as escolas voltam a fechar

Um manifesto dos professores do Grupo ICEM-Paris, como ponto de partida para reflectir sobre o futuro da escola [versão portuguesa de Luís Goucha]


Se, de há uns meses a esta parte, tudo o que aconteceu nas escolas foi novo, nunca vivido, amanhã já não teremos o alibi da novidade a desculpar-nos a insistência nos mesmos erros. Para evitá-los não há como reflectir sobre o modo como muitos de nós viveram a não-escola dos últimos meses. A reflexão realizada pelo Grupo ICEM-Paris, serve-nos neste propósito.

domingo, 12 de julho de 2020

Educação e formação: serão preocupações do ensino superior?

António Nunes

A formação dos nossos jovens precisa de ser olhada de uma forma plural e não como é hoje trabalhada ou, porque não dizer, deformada por um sistema vesgo, que se constitui, quase unicamente, numa lógica iminentemente especializada, como se esta, só por si, produzisse e preparasse verdadeiros cidadãos.

sábado, 11 de julho de 2020

Em defesa da pedagogia: o professor é mais do que um profissional

(...) a profissão (...) de professor (...) sustenta-se num con­junto e conhecimentos próprios e de preocupa­ções específicas. Ao recordarmos o termo peda­gogo, poderemos encontrar nele a fonte da cons­trução desta profissão e tudo que, à volta dela, ho­mens e mulheres, ao longo da história da educa­ção, foram capazes de desenvolver, modificar e construir.

sexta-feira, 26 de junho de 2020

Para acabar de vez com as “ideias feitas” sobre os professores!

Philippe Watrelot in: Cahiers Pédagogiques
Versão portuguesa com comentário final [Passar à versão em PDF >>>]

Ideia feita Nº1
Os professores são relutantes à mudança
Asneira! Eles foram capazes de em 48 horas encontrar novos instrumentos e novas práticas.
(...)
Ideia feita Nº 10
As crianças não gostam da escola
Depois de uma alegria inicial, rapidamente se deram conta, alunos e famílias, do papel primordial da escola e dos professores … perceberam-no muito bem e afirmaram-no várias vezes. E será esta talvez a nossa melhor recompensa!   
LER +  >>>